Bibliografia

1)      BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. 2 v.

2)      BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da Mitologia: (a idade da fábula) História de Deuses e Heróis. Trad. David Jardim Jr. 11. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

3)      ELIADE, Mircea; COULIANO, Loan P. Dicionário de religiões. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

4)      HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. São Paulo: Iluminuras, 2006 (Biblioteca Pólen)

5)      GUIMARÃES, Ruth. Dicionário da Mitologia Grega. São Paulo: Cultrix, s/d.

6)      MAGALHÃES, Roberto Carvalho de. O Grande livro da Mitologia nas Artes Visuais. Rio de janeiro: Ediouro, 2007.

7)      PESSANHA, José Américo Motta (org.) Mitologia. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

O Drama de Medéia

Hécate

 Eates, filho de Hélio e da oceânida Perseida, recebera do pai, o reino de Corinto, mas deixou o trono vacante para reinar na Cólquida, cuja capital era Fásis, às margens do rio do mesmo nome. 

Eates se casara com sua própria sobrinha, a terrível Hécate. 

Circe

Medéia

Filha de Hécate e sobrinha de Circe (ver item 7.1.2.1), Medéia conhecia profundamente os segredos da bruxaria e dos sortilégios. 

À época em que se passa o “drama de Medéia”, Corinto é governada por Creonte, filho de Liceto. 

Jasão e Medéia viviam em paz em Corinto, quando o rei Creonte concebeu a idéia de casar sua filha Glauce com o herói dos argonautas. 

Jasão aceitou o enlace real e repudiou Medéia, que foi banida de Corinto pelo próprio soberano. 

Tratava-se de um manto e de uma coroa de ouro, impregnados de poções mágicas e fatais

Implorando-lhe o prazo de um só dia, sob o pretexto de se despedir dos filhos, a feiticeira da Cólquida teve tempo suficiente para preparar a mortal represália. 

Enlouquecida pelo ódio, pela dor e pela ingratidão do esposo, resolveu vingar-se tragicamente, enviado à noiva de Jasão, por intermédio de seus filhos Feres e Mérmero, um sinistro presente de núpcias. Tratava-se de um manto e de uma coroa de ouro, impregnados de poções mágicas e fatais. 

A própria Medéia deixa bem claro o poder terrível de semelhantes adornos: 

– Se ela aceitar estes atavios e com eles se engalanar, perecerá horrivelmente e, com ela quem a tocar: tal o poder dos venenos com que ungirei meus presentes. 

Vaidosa, Glauce, sem hesitar, não apenas aceitou, mas igualmente se ataviou com o lindíssimo veu e a coroa de ouro, prenúncio da coral real, que, em breve, luziria sobre sua fronte jovem e bela. 

A princesa, todavia, teve apenas tempo de se ornamentar.  De imediato, um fogo misterioso começou a devorar-lhe as carnes e os ossos. 

O rei, que correra em socorro da filha, foi envolvido também por esse incêndio inextinguível, que os transformou rapidamente num monte de cinzas. 

Não parou aí a vindita louca da filha de Eates.   Também os filhos morrerão pelas mãos da própria mãe, para que Jasão sofra uma solidão mais aterradora do que aquela que lhe desejara: 

– Mas aqui mudo minha maneira de falar, e gemo sobre o que terei de fazer a seguir: matarei meus filhos queridíssimos e ninguém pode salvá-los. E, quando tiver aniquilado toda a família de Jasão, sairiei desta terra, expulsa pelo assassinato de meus filhos queridos, e pelo crime horrendo que tiver ousado cometer.  

Também os filhos morrerão pelas mãos da própria mãe, para que Jasão sofra uma solidão mais aterradora do que aquela que lhe desejara

Medéia assassinou os próprios filhos no templo de Hera

Mortos Creonte e Creúsa e incendiado o palácio real, Medéia assassinou os próprios filhos no templo de Hera e, num carro alado, presente de seu avô Hélio, o Sol, puxado por dois dragões ou duas serpentes monstruosas, fugiu para Atenas. 

Este exílio na pólis de Palas Atena, prodigalizado por Egeu, acabou igualmente de maneira dolorosa para o rei de Atenas e para a própria princesa da Cólquida. É que Medéia, em tudo que fazia, sempre colocou a paixão como fio condutor de suas ações. Ela própria o afirma: 

– A paixão é mais forte em mim do que a razão.  

A carta de Medeia a Jasão, é uma missiva bem ao estilo da tragédia: a princesa da Cólquida, abandonada pelo marido, explode primeiro em saudades e paixão… Depois contrapõe seu amor total à ingratidão do marido e passa dos gemidos às mais terríveis ameaças: enquanto houver ferro, fogo e ervas venenosas, sua ira e vingança não se extinguirão. Em suas palavras, os vocábulos “fogo e chamas” mudam de acepção, quando soprados pelo amor ou pelo ódio. 

Apesar de tudo, apesar de todo ressentimento, o amor e as chamas não se apagam, porque não se podem ocultar. Tudo fizera por ele: trau o pai, abandonou mãe e irmã, matou o próprio irmão. E mais: entregou-se a ele. 

O marido, que salvara, agora está sendo acariciado por outra mulher. 

É contra Glauce primeiramente que se ergua a ira de Medéia, mas, enquanto existirem chamas e ervas venenosas, ninguém escapará a seu ódio e vingança. 

E jura, por fim, que irá até onde o ódio puler conduzi-la: 

– Irei até onde me arrastar o ódio, seja disto testemunha o deus que agora revolve os tormentos no meu peito!  

Jasão, desejoso de regressar a Iolco, se aliou a Peleu, e com auxílio dos Dioscuros, destruiu a cidade, assumindo o poder, que, logo depois, passou para seu filho Téssalo. 

Ovídio, nas Heróides, fez que outra apaixonada suspirasse de saudades e de ódio pelo herói.   “De Hípsípila a Jasão”, é o desabafo da rainha das Lemníades, a quem o herói seduzira e deixara grávida de gêmeos na passagem pela ilha de Lemnos em direção à Cólquida. Hipsípila exprobra Medéia, “feia e estrangeira, estrangeira cruel”, que lhe roubara o amante. Apesar de tudo, ainda acredita na força do amor, já que “o amor crê em tudo”.  Embora tenha feito promessa solene de voltar a Lemnos, a rainha sabe que “ele é volúvel e mais indeciso que as auras primaveris” e que não cumprirá o compromisso assumido.  Em todo caso, serve-lhe de lenitivo o saber que “Medéia lhe ganhou o namorado com ervas feiticeiras, quando o amor deve ser conquistado com beleza e dignidade”.

Medéia ganhou Jasão, com ervas feiticeiras - Waterhouse

Jasão pereceu tragicamente em Corinto. 

Num dia de muito calor, descansava sob a nau Argo, que havia sido retirada do mar para conserto e uma viga da nau, caindo sobre ele o matou. Duas ilhas, certamente, o choraram: Lemnos e Avalon. 

Jasão morreu quando descansava sob a nau que deveria tê-lo conduzido a uma vida heróica.  O herói vencido desejou repousar à sombra de sua glória, por acreditar que ela seria suficiente para justificar-lhe a vida inteira. Caindo em ruínas, a Argo, símbolo da esperança heróica da juventude de Jasão, converte-se em símbolo da ruína final de sua vida. A viga é o esmagamento sob o peso morto, o castigo da banalização.

Ariadne

Ariadne

O amor, porém, torna todo impossível possível!

Ariadne, a mais bela das filhas de Minos, se apaixonara pelo herói ateniense.

o fio de Ariadne

Para que pudesse, uma vez no intricado covil do Minotauro, encontrar o caminho de volta, dera-lhe um novelo de fios, que ele ia desenrolando, à medida que penetrava no Labirinto.

Conta uma variante que o presente salvador da pincesa minóica fora não um novelo, mas uma coroa luminosa, que Dionisio lhe oferecera. Talvez a junção fio e coroa luminosa, “fio condutor de luz”, seja realmente o farol ideal para espantar as trevas inferiores!

Ariadne condicionou seu auxílio a Teseu: livre do Labirinto, ele a desposaria e levaria para Atenas.

Derrotado e morto o Minotauro, o herói escapou das trevas com todos os companheiros e, após inutilizar os navios cretenses, para dificultar qualquer perseguição, velejou de retorno à Grécia, levando consigo Ariadne.

O navio fez escala na ilha de Naxos.

Na manhã seguinte, Ariadne, quando acordou, estava só. Longe, no horizonte, o navio de velas pretas desaparecia: Teseu a havia abandonado.

Uns afirmam que Teseu foi forçado a deixá-la em  Naxos, porque Dionisio (Baco) a teria raptado durante a noite; e, após desposá-la, a teria levado para o Olimpo. Como presente de núpcias, o deus lhe teria dado um diadema de ouro, cinzelado por Hefesto. Tal diadema foi, mais tarde, transformado em constelação. Com Dionisio, Ariadne teria tido quatro filhos: Toas, Estáfilo, Enópion e Pepareto.

De Naxos, Teseu navegou para a Ilha de Delos, onde fez escala, a fim de consagrar num templo uma estátua de Afrodite, com que Ariadne o havia presenteado. Ali ele e seus companheiros executaram uma dança circular de evoluções complicadas, representando as sinuosidades do Labirinto. Tal rito subsistiu na ilha de Apolo por muito tempo, ao menos até a época clássica.

Triste com a perda de Ariadne, ou castigado por havê-la abandonado, ao aproximar-se das costas da Ática o herói se esqueceu de trocas as velas negras do seu navio, sinal de luto, pelas brancas, sinal de vitória.

Egeu, que ansiosamente aguardava na praia a chegada do barco, ao ver as velas negras, julgou que o filho houvesse perecido em Creta e lançou-se nas ondas do mar, que recebeu seu nome: “Mar Egeu”.

Ariadne e Dionísio - Ticiano

O Minotauro

Com a morte de Androgeu, filho de Pasífae e Minos, rei de Creta, morte essa atribuída indiretamente a Egeu, que, invejoso das vitórias do herói cretense nos Jogos que mandara celebrar em Atenas – eclodiu uma guerra sangrenta entre Creta e Atenas.

Minos, com poderosa esquadra, após apossar-se de Mégara, marchou contra a cidade de Palas Atena. Como a guerra se prolongasse, e uma peste (a pedido de Minos a Zeus) assolasse Atenas, o rei de Creta concordou em retirar-se, desde que, anualmente, lhe fossem enviados sete moços e sete moças, que seriam lançados no Labirinto, para servirem de pasto ao Minotauro.

Teseu se prontificou a seguir para Creta com as outras treze vítimas, porque, sendo já a terceira vez que se ia pagar o tributo ao rei cretense, os atenienses começavam a irritar-se contra Egeu.

Relata-se ainda que Minos escolhia pessoalmente os quatorze jovens e dentre eles o futuro rei de Atenas, afirmando que, uma vez lançados no Labirinto, se conseguissem matar o Minotauro, poderiam regressar livremente à sua pátria.

O herói da Ática partiu com um basco da ilha de Salamina, uma vez que Menestres, neto de Ciro, rei desta ilha, contava-se entre os jovens exigidos por Minos. Entre eles estava também Eribéia, filha de Alcátoo, rei de Mégara.

À partida, Egeu entregou ao filho dois jogos de vela para o navio, um preto, outro branco, recomendando-lhe que, se porventura regressasse vitorioso, içasse as velas brancas; se o navio voltasse com as pretas, era sinal de que todos haviam perecido.

Teseu decide, pois combater o Minotauro, isto é, resolve opor-se à dominação exercida por Minos sobre os atenienses, abolindo a imposição tirânica.

Uma vez em Creta, Teseu e os treze jovens foram, de imediato, encerrados no Labirinto, uma complicada edificação construída por Dédalo, com tantas voltas e ziguezagues, corredores e caminhos retorcidos, que, quem ali penetrasse, jamais encontraria a saída.

Teseu

Quanto à genealogia do herói ateniense, é filho de Poseídon. 

Como todo herói, teve uma origem complicada.

Segundo o mito, Egeu, rei de Atenas, não conseguindo ter um filho com várias esposas sucessivas, dirigiu-se a Delfos para consultar Apolo.

A Pítia respondeu-lhe, proibindo-lhe “desatar a boca do odre antes de chegar a Atenas”. Não tendo conseguido decifrar o enigma, Egeu decidiu passar por Trezena, cidade da Argólida, onde reinava o sábio Piteu.

Piteu, após ouvir a recomendação da Pítia, compreendeu-lhe, de imediato, a mensagem. Embriagou o hóspede e, mandando levá-lo para o leito, pôs junto dele sua filha Etra.

Acontece, todavia, que na mesma noite em que passara ao lado do rei de Atenas, a princesa tivera um sonho: aparecera-lhe Atena, ordenando-lhe que fosse a uma ilha bem próxima do palácio real, a fim de oferecer-lhe um sacrifício. Ali lhe surgiu pela frente o deus Poseídon, que fez dela sua mulher. Foi desse encontro, nas horas caladas da noite, que Etra ficou grávida de Teseu, que o rei de Atenas sempre pensou tratar-se de um filho seu.

Temendo seus sobrinhos, os palântidas, que lhe disputavam a sucessão, o rei, após o nascimento de Teseu, se preparou para retornar a Atenas, deixando o filho aos cuidados do avô.

O entusiasmo da juventude lhe assegurou força suficiente para erguer a rocha

Antes de partir, entretanto, escondeu ritualmente, sob enorme rochedo, sua espada e sandálias, recomendando a Etra que, tão logo o menino alcançasse a adolescência, se fosse suficientemente forte para erguer a rocha, retirasse os objetos escondidos e o procurasse em Atenas.

Atingida a adolescência, Teseu se mostrou capaz de seguir o apelo do espírito. O entusiasmo da juventude lhe assegurou força suficiente para erguer a rocha, configuração do peso esmagador da terra (desejo telúrico).

Empunhou a espada, calçou as sandálias e foi ao encontro do seu pai.

Na realidade, tão logo atingiu a adolescência, após oferecer, segundo o costume, parte de seu cabelo a Apolo, em Delfos, o jovem foi informado por Etra do segredo de seu nascimento e do esconderijo das sandálias e da espada paterna.

Aconselhado pela mãe e pelo avô a dirigir-se a Atenas por mar, Teseu preferiu a rota terrestre, ao longo do Istmo de Corinto, infestado de bandidos.

Competia ao herói ático iniciar a luta para libertar-se.

A Grécia

EU_location_GRE menor

A Grécia é o país mais meridional dos Balcãs e faz fronteira com a Bulgária, a Albânia, a Turquia, com o Mar Egeu, o Mar Mediterrâneo e o Mar Jônico, através do qual tem ligação com a Itália.

Foi nesse pequeno país que a civilização ocidental começou. 

Naquele tempo, a civilização grega estava dividida em cidades-estado que dominavam grandes áreas das margens do Mediterrâneo e do mar Negro.

Atualmente, Atenas é a capital e maior cidade do país.

Há milhares de anos, os gregos estabeleceram tradições de justiça e liberdade individual, que são as bases da democracia e da economia de mercado.

A sua arte, filosofia e ciência, tornaram-se fundamentos do pensamento e da cultura ocidentais.

Os gregos da Antigüidade chamavam a si próprios de helenos, e davam o nome de Hélade à sua terra. Nunca chegaram a formar um governo central, porém estavam unidos pela mesma cultura, religião e língua.

Os remanescentes físicos da cultura da Grécia clássica conservam-se, principalmente, em Atenas, Delfos, Micenas e outros sítios arqueológicos, enquanto as esculturas e outros objetos de arte exibidos nos museus gregos e dos principais centros culturais do mundo, constituem uma lembrança permanente de copiosa herança cultural helênica, que ainda continua viva na educação dos gregos.